Close

16/03/2016

Elis me ensinou

Nós últimos dias precisei repensar muitas partes da casa da minha namorada e bolar soluções bem diferentes para atender a uma nova realidade em nossa vida.
A menos de um mês, eu e Raquel estamos à caminho de um bar encontrar alguns amigos. No caminho presenciamos o atropelamento de uma cadela de imediato minha namorada, que estava dirigindo, parou o carro, descemos e pegamos a pequena cadela. Voltamos para casa e tratamos dela. Nos dias seguintes levamos ela a um veterinário, fizemos exames e agora temos uma cadelinha paraplégica! Se isso é ruim? Não! Elis, como a batizamos é uma linda cadela caramelo, de menos de um ano de idade, feliz e muito amorosa.
Agora que Elis precisamos repensar diversas soluções para dar conforto a ela… Primeiro, Elis não tem controle de suas necessidades, então precisa de fraldas, pelo mesmo motivo Elis se arrasta pelo chão.
Para atendermos às necessidades da Elis começamos a buscar, conversar e observar. Em nossa cidade não ninguém vendendo cadeiras para cães, achamos na internet algumas empresas vendendo, porém como não encontramos nenhum vendedor próximo de nós e nenhum barato resolvemos fazer nossa própria cadeira para cães. Aproveitando que não encontrei soluções accessíveis eu decidi fazer dessa experiência um teste para fornecer cadeiras para cães na região onde moro. Mas as cadeiras serão baixo custo ou converterei o lucro para projetos que ajudam os animais na região.

Pelas necessidades da Elis começamos a adaptar a casa e também nossas rotinas. Afinal agora temos que trocar as fraldas de nossa nova filha! Encontrei fraldas especiais para cães, mas as achei muito caras… então, estou começando a procurar alternativas para essas fraldas. Hoje usamos fraldas para crianças mas não prendemos as abas porque elas acabam causando feridas nas pernas da Elis. Usamos fitas adesivas para substituir as abas da fralda.

A lição que Elis me ensinou foi que o mundo é muito pouco acessível para humanos e mais ainda para nossos animais de estimação. Fiquei ainda mais surpreso que isso é ignorado pela maioria das pessoas, inclusive quando elas sofrem com a falta de acessibilidade. Por sinal em meu círculo de amizade tenho amigos deficientes, entretanto eles estão muito bem adaptados não me atentei às situações em que eles tem dificuldades… Precisamos pensar em produtos e serviços, públicos e privados que eliminem o termo necessidades especiais do nosso vocabulário.

2 Comments on “Elis me ensinou

André Costa
21/03/2016 em 13:49

A percepção da prática é de que todos somos deficientes em notar a deficiência de de alguns… Porém, eficientes em não percebermos ambas!

Responder
filipecosta
23/03/2016 em 11:36

Exatamente!

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *